08/10/2009

Transformando o Grupo em Equipe


A transformação de um grupo em equipe é um grande desafio, pois existem diversas razões que dificultam este processo, exigindo um planejamento bastante amplo para o Programa de Desenvolvimento de Equipes.
Para efetivar esta transformação, a equipe deve conhecer sua missão, objetivos e responsabilidades.

Principais fases do desenvolvimento de uma equipe:
DIRIGIR ou Fase preliminar: Nesta fase a equipe está em busca de identidade, já que os membros não se conhecem direito. É uma fase cheia de ansiedade e expectativas. O trabalho é concentrado na missão e estabelecimento de metas. O objetivo desta fase é colher dados, por intermédio de instrumentos específicos.
TRABALHAR ou Fase introdutória: Fase em que são esclarecidas as funções e responsabilidades de todos os membros. É interessante começar com uma reunião ou seminário como marca oficial do programa. O valor simbólico está na demarcação de uma linha divisória entre o passado e o futuro, um ritual de iniciação de mudança individual e grupal dentro de uma empresa.
AVANÇAR ou Fase de desenvolvimento de habilidades: Esta é a fase onde a produção será intensa. As pessoas estão experimentando o trabalho em equipe, no entanto, será preciso saber dominar conflitos, oferecer feedback, e tomar decisões. Momento de passar da teoria para a prática. A aprendizagem vivencial mostra-se superior a simples aprendizagem cognitiva, no que diz respeito a difícil transferência de aprendizagem da teoria para a prática.
ATINGIR ou Fase de consolidação e acompanhamento: Fase temporária. Para manter a conquista, a equipe deverá contar com contínuo comprometimento de seus membros. Os processos de aprendizagem, crescimento e desenvolvimento não tem fim. A equipe desenvolvida caracteriza-se pela consolidação das habilidades de tarefas, constantemente praticadas no dia a dia.

A motivação do grupo-alvo é a primeira condição decisiva para pensar em Desenvolvimento de Equipes. O nível de motivação do líder e dos demais membros do grupo influenciará no grau de disponibilidade psicológica para as atividades e no engajamento de cada um e de todos.

O tempo é uma dimensão estratégica no planejamento de mudanças organizacionais. A indisponibilidade de tempo tem sido freqüentemente invocada como fator restritivo de atividades de treinamento e desenvolvimento. Sabe-se, no entanto, que havendo motivação, o tempo é redescoberto, recuperado e bem utilizado.

Além da disponibilidade de tempo, é preciso haver disponibilidade de recursos técnicos e financeiros. O programa de desenvolvimento de equipe é um investimento de retorno em longo prazo. A decisão de investimento estratégico faz parte da filosofia empresarial de gestão.

A postura de apoio da alta administração, que se revela no comportamento e comprometimento dos diretores, constitui um elemento concreto sinalizador da provável continuidade do programa e do seu êxito. Se o programa estiver em uma das fases iniciais e a diretoria ordenar uma parada para mudança de dirigentes ou revisão e avaliação posteriores, é inevitável a ocorrência de frustrações e enfraquecimento motivacional. O mesmo não ocorrerá se estas fases já tiverem sido vencidas pelo grupo; uma vez internalizado, o processo torna-se irreversível.

Até ao próximo estudo sobre Gestão de Equipes!!!

* foto: Equipe da Odebrecht

Um comentário:

Paulo Souza disse...

muito bom conteúdo, me ajudou bastante em meu trabalho de empreendedorismo.. obg